Ciúme, Termômetro do Amor? - Ana Paula Dias
Ana Paula Dias - Psicóloga | Butantã - São Paulo - SP
Psicóloga Butantã, Psicóloga Vila Sônia, Psicóloga Morumbi, Psicóloga Taboão da serra, Psicóloga Zona Oeste, Psicóloga Próxima ao metrô, terapia Butantã, Psicanálise Butantã, Psicoterapia Butantã, Psicoterapia Vila Sônia, Psicoterapia Zona Oeste, Psicanálise Zona Oeste.
230
post-template-default,single,single-post,postid-230,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,qode-page-loading-effect-enabled,, vertical_menu_transparency vertical_menu_transparency_on,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-13.2,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.5,vc_responsive

Ciúme, Termômetro do Amor?

Ciúme, Termômetro do Amor?

Por Ana Paula Dias da Silva – CRP 06/79873

Constantemente ouço pessoas falando a respeito do ciúme. Esse tema é muito controverso!

Alguns acreditam que o ciúme é a demonstração do quanto são queridos pelo outro. Como se o fato de ser alvo do ciúme de alguém o colocasse numa posição de grande importância para o outro. Afinal, se ele tem medo de me perder, é porque eu farei falta, logo sou muito importante para ele!

Este é um grande engano, pois o ciúme tem relação direta com quem sente e não com aquele que é alvo do sentimento. Mas, como assim?

O ciúme é um sintoma e, como todo sintoma, é multideterminado, ou seja, para cada um tem uma fundamentação, afinal, cada história é única e cada ser humano irá lidar de forma diferente com os eventos de sua vida. No entanto, o ciúme diz muito sobre a personalidade daquele que o sente. Muitas vezes, pode representar insegurança, problemas com a autoestima, necessidade de controle e posse, entre outros motivos.

O que quero dizer com isso?

Que o alvo hoje é você, mas poderia ser qualquer outra pessoa que colocasse em risco o poder de controle daquele que sente o ciúme em excesso!

Claro que certo grau de ciúme é normal e faz parte da vida de todos nós. O que estamos falando aqui, é sobre aquele ciúme que faz sofrer. Faz sofrer aquele que sente e aquele que é alvo, pois o sujeito ciumento normalmente invade a privacidade do outro. Mais que isso, invade a individualidade do outro.

Quando formamos um casal, seja num namoro ou num casamento, não deixamos de ser indivíduos, temos uma história, continuamos tendo desejos, e por desejo me refiro a tudo:

desejo de ter amigos, de ter uma carreira, de estudar, de ficar sozinho às vezes, de fazer escolhas muitas vezes diferentes das escolhas de nosso parceiro, etc.

E quando não temos essa individualidade respeitada, começamos a nos sentir sufocados, pois começamos a nos perder enquanto indivíduos. Para ser casal é preciso, antes de mais nada, ser individuo, existir sozinho, para só depois existir com o outro. Claro que dentro de um relacionamento precisamos também saber ceder, e para a construção da conjugalidade, ou seja, a construção do “nós”, precisamos entender primeiro qual o nosso espaço, quais os nossos limites e respeitar também o espaço e os limites deste outro. Caso contrário, corremos um grande risco de entrarmos em relacionamentos abusivos, acreditando ser amor.

Se você sofre com o ciúme, seja por sentir ciúme demais em suas relações, seja por ser alvo do ciúme de seu parceiro, procure ajuda. O autoconhecimento é muito importante para conseguirmos deixar de lado as fantasias e enxergar o que de fato há nas relações em que nos encontramos.

O que há de real?

Por que sinto tanto ciúme?

Por que permaneço numa relação onde minha individualidade é constantemente atacada?

A resposta para todas estas questões está no autoconhecimento. Entender os motivos nos ajuda a fazer escolhas melhores para a nossa vida.

Como dizia Sócrates:

“- Conheça-te a ti mesmo e conhecerás o universo e os Deuses.”